Notícias atualize-se e recomende!

Concurso PF de agente administrativo: Fenapef pedirá 2 mil vagas. 13/04/2019


O concurso PF de agente administrativo é a próxima reivindicação da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef).  Como a Polícia Federal sofre com um grande déficit de pessoal na área de apoio, a Fenapef já finaliza um estudo com dados de déficit da área de apoio da corporação. 

O objetivo da federação é que a PF solicite um novo concurso para servidores administrativos ao Ministério da Economia. A informação foi passada pelo presidente da Fenapef, Luis Boudens, com exclusividade à FOLHA DIRIGIDA. Ele armou que até o final de abril esse estudo deverá ser concluído e entregue à Polícia Federal.  

Segundo Boudens, será solicitada a contratação de mais 2 mil oficiais de Polícia Federal, que ocupam cargos da área de apoio. Entre eles, está o cargo de agente administrativo. Para esta carreira é exigido apenas o nível médio. A remuneração é de R$4.710,76 já com o auxílio-alimentação de R$458. O regime de contratação é o estatutário, que assegura a estabilidade. 

A reportagem da FOLHA DIRIGIDA procurou a Polícia Federal e a questionou sobre a intenção de enviar um novo pedido de concurso para a área de apoio. A PF informou que não há previsão de um novo concurso para a área de apoio, mas não esclareceu se pretende enviar um novo pedido ao Governo. 

A realização de um novo concurso seria o cenário ideal para aliviar o grande déficit de servidores na área de apoio.  Por meio de sua conta oficial do Twitter, o deputado federal Eduardo Bolsonaro também defendeu a contratação de novos agentes administrativos na Polícia Federal. Assíduo nas redes sociais, ele voltou a falar sobre o assunto após o Governo Federal ter autorizado a chamada de mil aprovados no concurso em andamento. Eduardo destacou que a PF é essencial no combate a corrupção. 

Além disso, classificou como "urgente" a contratação de novos agentes administrativos. Ele, que também é policial federal, reconhece a necessidade de ampliar o efetivo, uma vez que os policiais deixam de exercer as suas funções para cobrir outras com vacância. "Agentes administrativos, excedentes de concursos ou futuros concursos são bem vindos. Feliz em ver que as notícias dos 100 dias de governo Bolsonaro vão nesta direção. A PF é essencial no combate a corrupção!", disse Eduardo Bolsonaro em sua publicação

Fonte: folha dirigida